Quando o nosso Brasil encontrará o seu caminho?

No final da minha geração, vivo agora uma mínima visão fração da longevidade do ser humano no Planeta Terra. Meus primeiros Professores já afirmavam que somos privilegiados pela Natureza. Os mais novos também descrevem o nosso país continental, muito bem colocado entre os continentes, rico em recursos naturais e beneficiado por um clima temperado, sobre um terreno livre de ações hostis da Natureza, que a imprensa mundial descreve com frequência nos mais longínquos locais.

É verdade que, ao longo de décadas da vida, constatei que realmente nosso país tem todos atributos para ser uma grande nação que acomode os brasileiros como desejaríamos. Infelizmente, palavras como sucesso, bons resultados, alegrias e felicidades não são encontradas e não são materializadas, como desejamos.

Com essas colocações, podemos perguntamo-nos “o que nos aconteceu?” Somamos explicações que não são suficientes e logicamente, estamos sempre em busca das respostas que vieram, como proposta, nunca materializadas.

Muito sobre o tema foi publicado e pode ser encontrado facilmente nos jornais de hoje. Recentemente, fomos surpreendidos por um novo vírus que ameaça o desenvolvimento mundial. Muitos deles acordaram e enfrentaram o desafio de acabar com o vírus e reagir como declarou o presidente da China que “a epidemia do novo coronavirus é a maior emergência na saúde desde a fundação do regime comunista em 1949”. E acrescentou que o país precisa aprender com as deficiências expostas e aplicar as ações contra as deficiências na resposta ao vírus.

E aí parece que estão as respostas que nós, os brasileiros, temos de acolher e aplicar. Entender o problema e aplicar as soluções. Fácil… poderão dizer todos, inclusive nossos políticos. Mas falta o essencial, cujas denominações entorpecem e anulam qualquer iniciativa em ações. Fica-nos claro, para todos que habitam nosso país, que o problema está na política que prevalece no nosso Brasil.

Estou longe de concordar com os preceitos que regem o regime comunista, mas, do lado brasileiro, tudo indica que estamos amedrontados de aplicar as reformas, de forma democrática, que muito necessitamos que são muitas. Algumas condensadas na Constituição de 1988, em muito transcrevendo o que já não tinha funcionado no passado.

Novamente, trago o exemplo da China, um grande império remotamente expressivo nos primórdios, não tinha acompanhado os novos desafios da tecnologia moderna, empobreceu. Mas, mesmo preso ao partido comunista, reagiu. Hoje, a China é diferente. Um país que já é um dos mais importantes do Planeta.

Escrevo agora para os mais jovens! Vamos começar as reformas. Temos talentos e as necessidades de mudar não faltam. Tenham coragem de alterar o que emperra o desenvolvimento do país, para que nossos descendentes possam ter a satisfação e o orgulho de um trabalho bem feito que transformou o Brasil!.