O neo-empreendedor

A velha forma de se ver a economia mundial foi alterada nas últimas décadas, sob o impacto da nossa incapacidade de compreender as mudanças da ecologia e das novas necessidades dos seres vivos e da Natureza. Fomos mergulhados pela tecnologia nas décadas dos 50 e 60, num sistema de telecomunicações instantâneas e universais. Isto parece ter reduzido o tamanho do planeta e aumentado a capacidade dos seres humanos de ocupar a Terra, como senhores todo-poderosos.

Vários países da Ásia surpreendem-nos pelo dramático desenvolvimento que conseguiram, com destaque da China e sua influência na política global, superando qualquer observação mais crítica ou comparativa.

Todavia, observações ou comentários de especialistas de todo o mundo mostram cenários mundiais alarmantes pelo que está acontecendo com a sociedade humana em oposição clara e direta das regras e ditames da Natureza. A ONU, alarmada, coloca que o mundo piorou de forma significativa, em face do descaso pelo meio ambiente superado pela ânsia ilimitada do desenvolvimento, surgindo figuras que se propõem a resolver as falhas, sob o olhar complacente de outros, que poderíamos denominar de Neo-Empreendedores. Eles procuram a saída de países de uma categoria pobre para uma mais rica, o que não é conseguido pelo acaso! É obra de esforços globais para a transformação através da educação, intensa, universal e abrangente. De maneira geral, os debates aumentaram. O que dizer, porém, da qualidade do discurso político dos brasileiros? O debate não tem empolgado a classe política, não enxergando que o Brasil precisa e depende da promoção da educação política, erradicando totalmente a aplicação da famosa Lei de Gerson.

As respostas que o povo pode procurar somente serão possíveis com eleitores esclarecidos e, embora nos últimos dez anos tenha crescido maior abordagem de assuntos relacionados nas escolas, sobretudo na classe docente, as repercussões são pífias. Tem de ser compreendido que não é admissível que alunos saiam do Ensino Médio sem noção da importância do meio ambiente, da saúde, da economia e da política.

Os educadores devem trabalhar as questões sem interferências de posições pessoais, criando um cenário que permita ao aluno chegar às suas conclusões sobre o funcionamento do País e de seus governantes e legisladores.

Os cientistas políticos lamentam que grande parcela da população ainda desconheça as funções de cada cargo político.

Isto tem de ser mudado! A Democracia tem de mostrar sua força!.