Um extraordinário instrumento de transformação

Logo após o nascimento, uma criança é examinada pelo médico. Rapidamente ele conclui que se trata de um bebê perfeito, pronto para ser alimentado e crescer! O médico, os pais e todos antecipam que há longo caminho a percorrer entre o seu nascimento e preparação para vida no mundo competitivo que não o espera! O processo para transformar o pequeno cidadão num sucesso de felicidade e alegrias chamamos de educação, o único atributo que a Natureza deixa a nosso cargo! E, infelizmente, estamos falhando!

Não somente no Brasil, mas também em muitas regiões pobres do Mundo, existe um verdadeiro vácuo no qual milhões de seres humanos vivem, ou melhor, tentam sobreviver, sob o peso da ignorância, incapazes ocupar um espaço mínimo que necessitam para si e suas famílias. Embora seja uma lei geral a que coloca a Educação como um dever de todos, é espantoso reconhecer quão distante milhões de pessoas estão de escolas públicas de excelência encontradas em países de sucesso. Infelizmente, o Poder Político não ouve ou compreende que a ignorância vem do nível intelectual dos povos!

A democracia é um equilíbrio entre direitos e deveres. Logo, quem honra os seus compromissos para com o Estado tem o direito de exigir rigor na gestão das finanças públicas a fim de suprir os recursos para transformar as crianças em cidadãos produtivos de excelência. Estamos conscientes que precisamos de líderes esclarecidos para que ouçam os deslocados da vida honesta e produtiva. Para tanto precisamos de Líderes, mas, como prepará-los se à população for negado o direito da Educação de qualidade, hoje atributo essencial na competição global que cobre todo o mundo moderno?

Cada pessoa, em seu universo particular, dentro do seu lar, do seu círculo de amigos pode contribuir para uma transformação da região onde vive. O caminho é de esperança em dias melhores, sem deixar de acreditar que o homem pode fazer sem perder de vez o comprometimento com a ética, para com o próximo. Só o indivíduo é capaz de se transformar por meio de uma ideia. E precisa ser convencido que a Escola é o único instrumento capaz de sustentar uma transformação por toda uma vida.

Cada um tem sua história pessoal! Aqueles que podem ler e compreender um texto, sabe o quanto isto é importante para si, para os seus familiares, amigos e conterrâneos. O que se lamenta é que uma expressiva maioria não consegue traduzir em ideias os mais simples símbolos gráficos, longe de serem compreendidos. E, pior, ignorar que nestes símbolos está o caminho a palmilhar na direção da vida digna e produtiva que desejamos para todos!

 

O Brasil e a educação básica e fundamental

Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (PISA) Programa Internacional de Avaliação de Estudantes , da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) é um trabalho, entre outros, de constatação dos esforços dos países para capacitar seus povos para enfrentar e vencer no mundo global e competitivo, no qual hoje vivemos! Os Estudantes participantes do Programa, estão na faixa dos 15 anos de idade, correspondendo no Brasil à 7ª Série (8º ano do Ensino Fundamental).

São 34 os países que participam do programa da OCDE e coordenado, no nosso país pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, objetivando produzir indicadores que contribuam para a discussão da qualidade da Educação proporcionada pelos países participantes, de modo a subsidiar as políticas públicas que regulam o setor! As avaliações ocorrem a cada três anos e abrangem três áreas do conhecimento – Leitura, Matemática e Ciências.

Recentemente, a OCDE divulgou os últimos resultados e constatou que o Brasil está estacionado há dez anos, entre os países com pior desempenho. Podemos confessar que colocamos isso com a tristeza de brasileiros, vendo nosso país precisando prosperar, como é o desejo de todos, ficar longe dos processos educacionais que nos assegurem os melhores resultados possíveis!

Na realidade, não estamos preenchendo as relações de causa-e-efeito para o sucesso, tendo a Educação como o meio fundamental para transformar nosso Brasil para lhe permitir embarcar num clima de prosperidade. O Pisa mediu o conhecimento dos estudantes de 72 países em leitura, ciências e matemática. Nessas três áreas, a média dos estudantes brasileiros ficou abaixo da obtida pelos demais países.

Nosso Ministro da Educação, José Mendonça Filho, lamentou os números. “Esse resultado é uma tragédia!”, afirmou. E confirma exatamente o diagnóstico que ele teria feito de que, apesar do Ministério da Educação ter triplicado sua proposta orçamentária, o desempenho ficou estagnado ou até retrocedeu. Nós, os da população brasileira, não podemos ficar contentes, embora os orçamentos públicos colocados a disposição do nosso sistema educacional não serem baixos, os resultados obrigam-nos a refletir sobre o que está sendo feito de errado. É nesse sentido que precisamos pensar e agir. Não aceitar que a meta de níveis adequados de conhecimento não sejam oferecidos e conquistados por cada nosso concidadão. Se isso não ocorrer, vamos ter de concordar e continuar a viver num país pobre, embutido numa enorme riqueza de terra e oportunidades, criadas pela Natureza, no nosso país continente..

 

Desafios que temos de enfrentar

Por tudo o que aconteceu no passado no nosso país e que está acontecendo, nestes momentos de perplexidade, nos quais vivemos, há muitas perguntas e, entre elas: que tipo de sociedade queremos? Como exprimir isso e o que temos que fazer? Temos direito de parar?

Sabemos que carecemos de líderes capazes de abrir discussões e promover as necessárias ações para responder essas e outras perguntas. Vivemos uma real subordinação aos pensamentos daqueles que ocupam cargos oficiais, os quais procuram estar presentes e preenchendo todos os espaços!

Na década dos 1960, os norte-americanos compreenderam que precisavam colocar os governantes sob pressão, ouvindo e executando o que pudesse emergir da vontade popular. Transformando o pensamento em ações regulamentaram o instituto do “lobby”, transformando-o em Lei Federal. Desde então, os “lobistas” estão dedicados, sob contrato das partes interessadas, procurar exercer influência sobre as autoridades e levar a decisões oficiais para direções orquestradas pelos mais diferentes grupos de pressão. Tudo isso foi feito segundo uma finalidade explícita. Ampliar o poder de influência dos cidadãos nas grandes questões nacionais. Podemos concordar que tal processo possa ser um perigo, mas parece que, enquadrado nas regras da democracia, pode funcionar!

Infelizmente no Brasil, somos antigos e ainda não disseminamos as doutrinas democráticas, embora muitas estejam em nossa Carta Magna. O mundo mudou! Os produtores sabem que o seu concorrente não está necessariamente na esquina de suas casas. O mercado visto sob uma ótica mundial, quem não for eficiente, moderno e agressivo, será mais cedo ou mais tarde excluído.

Temos pelo menos cinco problemas básicos que precisam ser discutidos: baixar os impostos, reduzir as taxas de juros, investir na infraestrutura material, aprimorar e intensificar os empreendimentos na área da educação do povo e simplificar intensamente a burocracia governamental, que tantas dores de cabeça dão ao cidadão. Paralelamente, aumentar a eficiência do Governo em geral e dos serviços públicos, em particular os do judiciário. Planejar e visualizar os horizontes futuros do posicionamento nacional em face da concorrência global do mercado mundial.

Sabemos que todas essas medidas podem depender de qualquer dos níveis de governo. Assim, parece ser esse o foco que a sociedade precisa atuar, fazendo com que se tomem as importantes medidas corretivas. Sonhos? Sim, mas muitos primeiros passos começam com sonhos! Não podemos nos esquecer que precisamos nos habilitar e vencer na velocidade imposta por um mundo que cresce vertiginosamente!.

 

Afinal, surge uma boa notícia

Não devemos ceder ao pessimismo, que se alastra pelo país, acendendo mais incêndios a cada dia, que não se consegue apagar. Tudo em face das turbulências criadas em torno de comportamentos e ações de segmentos da população e de muitos dos nossos Representantes Eleitos, em todos os níveis!

Assim, e em que pese a atmosfera atual, na qual vivemos, não devemos deixar passar em branco o expressivo sucesso que a Embraer, nossa empresa de São José dos Campos – criada nos idos de 1969 -, em Julho passado, conseguiu na Exposição Aeronáutica de Le Bourget (Paris, França), quando competidores de todo o mundo apresentaram suas realizações técnicas e produtos para o crescente mercado da mobilidade aérea e de aviões para as Forças Aéreas!

Foram anunciadas pela empresa brasileira novos compromissos de vendas de seus aviões, todos de tecnologia nacional, num valor em torno de US$ 2 bilhões, cobrindo produtos tradicionais para o transporte de passageiros, aviões executivos e o grande Cargueiro Militar, o KC 390, realmente um avanço sobre a competição tecnológica do futuro!

Essa disposição da companhia em investir numa mostra a distância na Europa, evidentemente de alto custo, mostra que não há somente razões para acreditar e apostar que estamos atentos, vivos e criando resultados que, devem nos orgulhar em São José dos Campos e no Brasil. É o resultado de crenças, vontades e muito trabalho que dignificam uma realização brasileira, em tempos difíceis!

Destaco uma outra, vinda de voluntários das antigas equipes de profissionais da Embraer, de encetarem esforços no sentido de recuperar o exemplar do avião pioneiro, o Bandeirante, exposto no Parque Santos Dumont de nossa cidade. Uma iniciativa de expressivo valor, pois traz nova vida para a Praça, sob uma mensagem e exemplo de que podemos trabalhar hoje para um sucesso de amanhã, desde que se conte com a comunhão de todos, profissionais do trabalho, patrocinadores e colaboradores, muitos anônimos!

O Poder Público Municipal marcou solenidade para a abertura da nova exposição daquele protótipo, marco inicial da Embraer de hoje, para o último dia do aniversário da cidade, em 27 de Julho passado. Foi uma cerimônia simples, mas carregada pelo entusiasmo dos que, voluntariamente, dedicaram-se para que, dali em diante, teremos em exposição um monumento de uma realização do passado, rendendo frutos no presente!

Assim é o mundo. Pessoas, como qualquer uma de nós, podem produzir diferenças quando conquistam confiança, expressam vontades, geram apoio e dão largos passos para a construção de novos horizontes. Sempre existirão aqueles que buscam valores intangíveis, mas reais, de satisfação, crescimento e realizações.